Arquivo da categoria: Bagaças

STAR WARS EPISÓDIO 7: “UMA NOVA ESPERANÇA”… ¯\_(ツ)_/¯

star-wars-luke-rey-comparison

Buenas, como Star Wars – O Despertar da Força só estrearia na China quase um mês depois da estreia mundial, me mantive em silêncio pra ninguém no mundo reclamar que eu espalhei spoilers e, de alguma forma, estraguei o impacto das surpresas – todo mundo que me perguntava “E aí, o que tu achou do filme?” ouvia um seco “Não posso dizer nada. Nenhuma palavra.” Mas eu tinha que falar, eu precisava falar… na real, eu ainda preciso, e chegou a hora! Mas antes de começar, vou responder à outra pergunta que seguem me fazendo: “E aí, devo fazer a maratona dos episódios 1, 2, 3, 4, 5 e 6 antes de ir no cinema ver o 7?“. Não, não faz – corre pro cinema antes que os trolls (que estão descrevendo o filme nas redes sociais por puro espírito de porco) te encontrem e se deliciem estragando o filme pra ti, além de um outro motivo que ficará claro durante a leitura abaixo. Dito isso, foi tua última chance de escapar de spoilers cabulosos, detalhes do roteiro e de tudo mais que poderá influenciar tua opinião quanto àquele que foi o filme mais esperado dos últimos 30 anos. Portanto, apertem os cintos que entraremos agora no hiperespaço – próxima parada: as entranhas da mente e do coração de Jairo Piscitelli Jr., fã de Star Wars desde 1977, admirador do trabalho de J.J. “Lost” Abrams e espectador que assistiu três vezes ao filme antes de ter a mais absoluta certeza de tudo que você lerá a partir de… AGORA! [***SPOILER ALERT MODE: ON!!!!***]

NECkunfnT5UrFK_1_1

17 de dezembro de 2015. 02h20min da madrugada. Saída da sala de cinema na pré-estreia de O Despertar da Força. O Conselho Jedi Rio Grande do Sul em peso, todos devidamente cosplayzados, em lágrimas verdadeiras de emoção, se abraçando e compartilhando a experiência vivida minutos antes. Vou ainda atordoado em direção a eles, que me perguntam, com o sorriso nas orelhas e os olhos marejados: “E aí Jairo, o que tu achou???“. E abrindo o alçapão sob os pés deles, as primeiras palavras que saem da minha boca, rasgando o ar tal qual a Excalibur-de-Luz do Kylo Ren, foram: “Eu… eu… EU ODIEI!!!“. Surpreso(a) com a minha resposta? Eles também. Eu, idem…

Nem sei mais direito o que eu estava esperando do filme que retomaria com tudo a saga Star Wars – agora na Disney, agora sob a direção do glorioso J.J. “novo Spielberg das antigas” Abrams, com os atores originais, com a possibilidade de curtir todo esse buzz fantástico ao lado das minhas filhas Carolina (10 anos) e Bianca (5 anos). Mas uma coisa eu tenho certeza que eu não tava esperando: um control+C/control+V descarado do roteiro do “Episódio IV – Uma Nova Esperança” (o “Guerra nas Estrelas” original, para os leigos). Sério mesmo, gente: Estrela da Morte com um ponto fraco que um esquadrão de X-Wing destrói após alguém desligar o escudo pra eles? Uma cantina (com – quack! – uma banda da cantina!!!) onde alienígenas esquisitos de toda a galáxia se encontram pra tomar uns gorós e fazer negócios? Um(a) jovem sonhador(a) com uma vida monótona num planeta desértico, até encontrar um robô que carrega consigo uma informação sigilosa e responsável por mudar seu destino? Um vilão que recebe ordens via holograma de seu misterioso mestre? Pai e filho se confrontando em uma plataforma dentro da Estrela da Morte? Bah, meus amigos… peraí um pouquinho: com um infinito de possibilidades de roteiro nas mãos, POR QUE DIABOS REPETIRAM O ROTEIRO DO EPISÓDIO IV??? “Homenagem”? Ah, não vem com essa! Homenagem foi o Finn esbarrando na mesa de xadrez/dejarik na Millennium Falcon, ou encontrando a esfera de treino de sabre-de-luz do Luke, ou ainda seu nome-código ser FN-2187, o mesmo número da cela da Princesa Leia. POR QUE DIABOS FAZER UMA TERCEIRA ESTRELA DA MORTE COM UM PONTO FRACO ONDE UMA X-WING ATIRA E EXPLODE A PORRA TODA???? (“Base Starkiller”? Nah… eu sei reconhecer uma Estrela da Morte, afinal JÁ VI OUTRAS DUAS ANTES!!!). Na boa: morri de vergonha alheia, me deu uma enxaqueca fulminante durante o filme, um mal-estar profundo… enfim, uma frustração indescritível, que abafou coisas MUITO LEGAIS do Episódio 7 (todas as cenas da Falcon, as piadas e sacadas hilárias, a atuação de luxo do Harrison Ford, todas as cenas com o BB-8, a cena final com o Luke, a participação genial do 007 como o stormtrooper que leva um Jedi Mind Trick da Rey, e por aí vai). Depois daquela sequência matadora de teasers, trailers e TV spots, que nos encheram de dúvidas e vontade desesperadora de ver logo o filme pra ser apresentado às novidades, percebemos que elas não eram tão novas assim… sorte de quem viu direto o Episódio 7 sem ter visto os outros antes, perdendo com isso umas 3 ou 4 piadas e/ou referências, mas ganhando o ineditismo das soluções de roteiro, sem a broxante sensação de déjà vu a cada 30 segundos.

IMG_9706

Kylo Ren. Putz, esse merece um parágrafo só pra ele: o vilão MAIS MIMIMI de toda a galáxia, fazendo beicinho, soltando a pomba-gira e dando piti cada vez que alguma coisa dá errado foi demais pra minha cabeça! Dá licença, mas não honrou a farda preta e o sabre-de-luz mais irado dos 7 filmes da saga. Ver meu personagem preferido ser morto POR UM BUNDA MOLE DESSES me deixou ainda mais de cara!

E o que dizer da Capitã Phasma, a personagem que eu estava mais curioso pra conhecer? Aquela armadura cromada espetacular, todo o hype em torno da Gwendoline Christie, atriz de 2 metros de altura que matou a pau em Game of Thrones… tchê, A MINA APERTOU UM BOTÃO E DESLIGOU O ESCUDO QUE PERMITIU A EXPLOSÃO DA BASE STARKILLER! Meu, a Capitã do exército mais temido do universo… morre com honras militares (e tenta levar alguém junto) MAS NÃO DESLIGA O ESCUDO, PORRA! Que personagem patético – coitado de quem comprou as action figures dessa songa-monga, que foi parar onde? No compactador de lixo do Episódio IV… detonaram um personagem com um baita potencial SÓ PRA FAZER UMA PIADA INTERNA? Se voltar pros próximos episódios, que moral vai ter?

Nem o vovô-gênio John Williams se salvou – não tem um tema musical novo relevante nesse filme (como foi Duel of Fates, um dos grandes destaques do detestado Episódio I). Os principais momentos de O Despertar da Força são marcados pelas boas (ótimas!) e velhas músicas que todos já conhecemos e identificamos de cara. Bom, pelo menos na cena da cantina mudaram a trilha usada no Episódio IV: trocaram ela POR UM REGGAE!!!!!!). #WTF

A lista de decepções parece não acabar nunca: C-3PO de bracinho vermelho só pra vender as action figures dele neste episódio (não fosse esse detalhe, o boneco seria igual ao dos outros filmes e não venderia – estratégia já usada antes no Watto, o dono do ferro-velho onde trabalhava o Anakin guri. A diferença dele nos Episódios I e II é um chapeuzinho… ou seja, usaram o velho truque)! Maz Kanata… ou a “nova Yoda”: personagem chato, sem sal e que não agrega nada interessante à saga. General Hux… ou o “novo Tarkin”: personagem chato, sem sal e que não agrega nada interessante à saga (viram como o control+C/control+V é irritante?). Resumindo: fui pra casa de cabeça inchada, ao ver que o sonhado O Despertar da Força era praticamente o Uma Nova Esperança de bracinho vermelho e chapeuzinho, pra vender novamente. Me deu insônia e uma vontade incontrolável de berrar: “se era pra fazer isso, VOLTA GEORGE LUCAS”! 😦

awake

Na noite seguinte, fui de novo ao cinema, agora com a minha esposa Karina e a Carol, sem ter dito pra elas que tinha detestado o filme. Refleti o dia inteiro a respeito, li todas as opiniões que encontrei e cheguei à única conclusão possível, que finalmente me fez relaxar – e se até aqui você estava sentindo o mesmo que eu, relaxe também: O Despertar da Força, apesar de ninguém ter dito isso antes ou admitir isso agora, nada mais é do que UM REBOOT DO EPISÓDIO IV! Só isso justifica tantas “homenagens” no roteiro: a Disney deve ter exigido “a mesma magia de quando Star Wars foi lançado em 1977”, para trazer a boa (maravilhosa!) e velha saga para o século XXI com tecnologia e efeitos modernos, mas a aura original. E isso deve ter sido cobrado ao pé da letra em reuniões da Diretoria da empresa com os produtores do filme. Ou melhor (pior), literalmente: “Rapaziada, o que tinha no Episódio IV que encantou as pessoas e fez o filme virar febre mundial? Estrela da Morte! Cantina! Banda da Cantina! Planeta desértico! Vilão que recebe ordens via holograma do mestre (nãopéra… isso foi do segundo filme… esquece!). Entenderam o que eu quero dizer, né? Com medo de errar, devem ter fuçado no roteiro a tal ponto que em vez do JJ ser obrigado a parir um frankenstein, preferiu fazer um reboot digno, decente, ainda com o DNA de Star Wars. Bando de cagões! Bom, pra quem não sabe, isso é apenas um dia normal de trabalho no Departamento de Criação de qualquer agência de propaganda – “o cliente está pagando, faz o que ele pediu: aumenta o logotipo e põe um splash com a promoção”…

E aí, pensando em um reboot, relaxei… e consegui apreciar mais as coisas boas do filme! Curti ainda mais os rasantes da Millennium Falcon em Jakku; os “diálogos” do BB-8 (a hora que ele retribui o joinha pro Finn é genial!); percebi que o beicinho do Kylo ilustra a imaturidade do personagem, abrindo brecha pros próximos filmes trazerem seu amadurecimento; viajei na interpretação da Rey, tentando entender a rapidez com que aprendeu a manejar um sabre-de-luz, apesar de minutos antes achar que os Jedi eram só uma lenda. E saí mais leve do cinema, sem dar bola para os plots xerocados – afinal, é um reboot, e reboots não podem/devem alterar os plots do roteiro original, confere BB-8?

tumblr_o0i8vdrj7e1ti15c9o1_500

Dias depois, acabei indo ao cinema pela terceira vez (como tinha visto legendado, a Carol não conseguiu acompanhar direito a história – então, fomos eu, ela e a Bibi ver a versão dublada). E aí, meus amigos, foi pura curtição! Que furo de roteiro o que – STAR WARS TÁ DE VOLTA, GALERA!!! Terceira Estrela da Morte? Nem notei – tava roubando uma mãozada de pipoca no balde da Carol… e no sorriso das minhas filhas, finalmente me dei conta que não passo de um intruso na relação desta terceira trilogia de Star Wars com seu novo público, do qual minhas filhas fazem parte (uma “Nova Esperança” de preservar essa paixão louca e incompreensível que as outras gerações tiveram pela saga). Foi pra elas que Star Wars voltou, com protagonista mulher, herói negro e tudo mais que fala a mesma língua dessa tchurminha. E se há elementos parecidos (iguais?) aos da saga original, parabéns ao gênio que soube usar, naquela época jurássica, uma linguagem universal e atemporal, que ainda consegue cativar hordas de fãs após tantos anos.

Será Snoke o mesmo Darth Plagueis, o mestre Sith que sabia “criar vida” supostamente morto por Palpatine? Terá Rey usado a Força sob influência mental de Luke, emanada via WiFi-Jedi lá da ilha? Aliás, será que ela é filha de Luke, de Obi-Wan ou irmã gêmea do Kylo, separada dele no nascimento? (hmmm… acho que já vi isso ant…bom, deixa pra lá!). Dúvidas e mais dúvidas com data certa pra serem solucionadas: 25 de maio 15 de dezembro de 2018***, em pré-estreia, na sessão da 00h01min – vocês eu não sei, mas eu estarei lá com minha esposa, minhas filhas e nossos baldes de pipoca, ansiosos por mais duas horas e meia de curtição (gurias… WE´RE HOME!!!)! [***mudaram a data – entre os motivos, estão reescrevendo o roteiro porque, segundo os produtores, “ESTAVA FICANDO MUITO PARECIDO COM O IMPÉRIO CONTRA-ATACA”… bah, fala sério! 😦 ]

IMG_9696

IMG_9696

Os Vingadores: o ato final da ousadia da Marvel/Disney.

Esperei pouco mais de 2 semanas após a estréia para ver o filme dos Vingadores. Queria fugir do atrolho nos cinemas em filmes deste porte, mas também queria ler as impressões de quem viu o filme. E rolou de tudo: desde gente falando que é o filme definitivo sobre super-heróis, outros dizendo que o mundo é dos nerds até gente comentando que faltou se aprofundar mais no psicológico dos personagens, apelando para o já batido ” faltou ousadia”.

Vale lembrar que este filme não teve uma trajetória padrão. Ele é o ápice de um planejamento que começou lá atrás com Homem de Ferro 1, e o Incrível Hulk, ambos de 2008 , passou por Homem de Ferro 2 em 2010, Thor e Capitão América: O Primeiro Vingador em 2011. Me lembro de discussões em fóruns e matérias na época falando que desta sequência os 2 filmes que os executivos da Marvel e da Disney consideravam mais problemáticos  seriam o do Hulk, por causa do fracasso do filme anterior de Ang Lee, e do Capitão América, pelo patriotismo ufanista e óbvia rejeição que alguém usando a bandeira dos EUA teria hoje no mundo. A preocupação com Hulk era tanta que foi o único filme da série a ter um astro de primeira grandeza para o papel principal (Edward Norton), lembrando que Robert Downey Jr. não conta, pois foi retirado do ostracismo com o papel de Tony Stark (álias, hoje o ator mais bem pago da franquia, pois seu contrato em Homem de Ferro não era alto inicialmente, mas previa participação nos lucros futuros da série onde seu personagem aparecesse).

Esta sequência de filmes-solo preparou o terreno e aliviou o roteiro de Os Vingadores da necessidade de apresentar personagens sobrando todo o tempo do mundo para trabalhar o real motivo que levaria tais heróis a se juntarem. E ao contrário do que li por ai existe sim um aprofundamento em cada personagem. São detalhes tênues, mas que mostram isso. Achei genial o jeito manso e controlado das falas do Dr. Bruce Banner, as vezes até meio inaudível para mostrar mais adiante que ele aceitou seu alter ego (ou como ele prefere dizer “o outro cara”) e aprendeu a controlar melhor suas aparições estando sempre com raiva mas mantendo um nível de auto-controle (no final do filme do Hulk vemos o Dr. Bruce Banner de Edward Norton forçando uma transformação com um leve sorriso, demonstrando que ele já procurava este controle). Vemos também uma evolução em Thor onde ele continua arrogante, mas assume o seu papel de protetor da Terra, um planeta que a príncipio ele não julgava merecedor sequer de sua atenção (a frase “- A Terra está sob a minha proteção!” já foi dita várias vezes nos quadrinhos). Tony Stark experimentou o remorso e aprende a lidar com as responsabilidades que Nick Fury sempre falou que ele deveria encarar. E finalmente temos o Capitão América, que tanto nos quadrinhos quanto no filme se mostra deslocado e com valores até antiquados, só se sentindo realmente útil quando está ao lado dos Vingadores e esta aceitação é vista no filme no ínicio da batalha final, quando ele toma as rédeas da equipe e, até mesmo, de seu lugar no mundo pós-descongelamento. Como eu disse são detalhes, mas estão lá para ajudar a evoluir cada personagem.

Álias, não se deve esperar algo muito denso e psicológico em uma história que envolva uma batalha interplanetária. Não há a necessidade de se conhecer a fundo a motivação do exército invasor e acho demagogia quem critica o filme por este viés. A história é bem amarrada (mesmo tendo os clichês já previstos) e conduzida, dando espaço para todos terem seus 15 minutos de fama, além de muitas referências do Universo Marvel devidamente encaixadas.

O filme mostra o que realmente queremos ver de super-heróis com armaduras, martelos indestrutíveis e poderes sobre humanos: pancadaria em alto nível, feitos impossíveis, destruição… muita destruição e acima de tudo o confronto com um vilão poderoso e respeitável. Todo mundo sempre esperou isso nos filmes do Super Homem, mas a DC insiste em colocar ele as voltas com Lex Luthor e um bando de capangas humanos que não condizem com seu poder.

Neste sentido Os Vingadores é impecável, mostrando tudo o que poderia acontecer em Nova York se estes super-seres realmente existissem e resolvessem tirar as caras e sair no braço (um site avaliou a destruição mostrada no filme em 224 bilhões de dólares).

Além de grandioso, divertido e convincente na sua proposta de fechar este ciclo, especialmente para mim, o filme funcionou como uma Máquina do Tempo, pois algumas cenas tiveram o poder de relembrar capas e páginas e me levaram de volta aos meus 14/17 anos onde eu comprava o gibi “Heróis da TV” ainda no formatinho de bolso e lia ele onde estivesse mesmo, as vezes bem antes de chegar em casa.

Preciso para viver (01)

No quesito mobiliário mesmo que já tenha se tornado lugar-pra-lá-de-comum dizer que para sobreviver é preciso ser multifuncional, nada mais próximo da verdade do que isso, afinal, móveis que exijam espaço específico, manutenção exagerada e que dificultem a limpeza não condizem mais com a correria nossa de cada dia. Na Europa este conceito é  popular e a demanda por novidades muito grande.

Isso representa uma ótima oportunidade para pequenos, mas criativos, estúdios de design entrarem no catálogo de redes de móveis e utensílios. A “Mister T” é um exemplo desta filosofia de trabalho. Criada pelo Designer Antoine Lesur para a coleção de estréia da empresa francesa Oxyo, a peça é um modelo tudo-em-um podendo ser banqueta, mesinha de canto e centro ou apoio para os pés.

Só a lamentar é ainda não estar a venda.

O Espaço de Idealização

Revirando um fórum no moribundo Orkut encontrei um post onde um rapaz mostrava a camiseta que havia comprado de seu clube e junto uma outra que ele disse ter adorado e comprou também. A segunda camiseta em questão tinha apenas a marca da Adidas estampada. Discussão vai, discussão vem até que se entra no mérito do preço. Nesse momento aparece um participante que fala que ele estava louco em ainda ter que pagar para se tornar um outdoor ambulante da Adidas.

O que este rapaz não sabe, ou sabe mas prefere se passar por rebelde contra o capitalismo, é que muitas marcas exercem grande influência sobre as pessoas pelo simples fato de afetarem a visão que temos de nós mesmos e de como estamos inseridos em grupos sociais.

Na verdade cada pessoa se visualiza na forma de dois “EUs” distintos. Aos nossos olhos existe o “EU” atual e o “EU” ideal. O primeiro é como você realmente é e como as outras pessoas percebem você socialmente. O segundo é a projeção de como você gostaria de ser percebido ou estar posicionado socialmente. E o caminho que existe entre estas duas partes é chamado de Espaço de Idealização. E é nele que colocamos tudo o que percebemos como um facilitador para atingir o tão desejado “EU” ideal.

É no Espaço de Idealização que as marcas focam os seus esforços, pois estar ali é a certeza de conquistar um consumidor fiel que, não só entende as percepções e sensações que a marca ou produto quer passar, como as defende. Mesmo que em determinado momento este consumidor não tenha as condições financeiras para usufruir desta ou daquela marca, estar nesta área é a garantia de que assim que for possível este consumidor vai se utilizar de seus produtos ou serviços.

As ações que levam o consumidor a colocarem esta ou aquela marca no seu espaço não são totalmente conscientes, mas são consequência de uma situação real. Isso desmistifica o conceito de que o marketing e o branding criam necessidades inexistentes nas pessoas. Na verdade elas apenas potencializam uma fagulha que já está lá.

 

“Existem diferentes características pessoais entre o que as pessoas são e entre o que elas querem ser.
O papel do branding é oferecer ao cliente aquilo que o faz atingir o seu “EU ideal”, é um “passaporte” para a felicidade.”

Jaime Troiano

O mais interessante é que o Espaço de Idealização está em constante movimento, não só pelas novas aspirações que as pessoas vão tendo na evolução de suas vidas e carreiras, mas como reflexo direto de novas interações sociais, mesmo as mais simples. Em um artigo Jaime Troiano – Presidento do Grupo Troiano e autor do livro “As marcas no divã: uma análise de consumidores e criação de valor”  cita sua experiência com corredores para exemplificar isso, mas vou citar um caso que vivenciei quando ainda era goleiro de Futsal. Era início de ano e nosso time estava se organizando para a disputa de torneios, quando recebemos um novo jogador. Ele jogava futebol de campo, mas já estava cansado dos freqüentes cancelamentos por falta de quórum. Trouxe com ele a sua própria expertise em relação aos produtos preferidos e calçava um tênis tipo Society da Nike. Dentro deste novo convívio ele percebeu que a marca não era a meca de consumo do grupo e sim marcas mais específicas para o Futsal, que na época eram a Penalty e as, então importadas, Lotto e Umbro. Para atingir o “EU” idealizado que ele queria estas marcas passaram a fazer parte do seu Espaço de Idealização.

No fundo são as situações sociais e suas exigências (sim, exigências, não se iludam, pois cada grupo social tem seu próprio e rígido código de conduta) que nos levam a desejar este ou aquele produto, muitas vezes não pelo que ele é em si, mas pelo valor que ele vai nos agregar e como vai nos ajudar a atingir o “EU” ideal.

Talvez para o rapaz do início do post o “EU” ideal dele não se importasse de pagar para ser um outdoor ambulante se a camiseta fosse da Nike ao invés da Adidas.

Mundo de moletom

Lembram de George Constanza, grande amigo de Jerry na sitcom Seinfeld e que gostava tanto de veludo que sonhava com um mundo todo envolto em veludo. Na paranóia dele sofás, cadeiras, biombos, bancos de carros, ternos, camisetas, calças, enfim, tudo seria revestido de veludo.

Falo dele porque lembrei deste desejo ao ler sobre a nova coleção Jog Jeans da Diesel (www.diesel.com/jogg-jeans/filter/male/ss12). São calças de moletom com cara de jeans onde o tecido é uma mistura do melhor dos dois mundos: a elasticidade e conforto do moletom e a cara de mau e lavagens especiais do jeans.

Fala sério. Qualquer pessoa com alguns/muitos kgs a mais sempre desejou que o moletom fosse um tecido socialmente aceito e liberado para uso informal, profissional, a passeio e até mesmo naquela janta em restaurantes 5 estrelas???

A linha foi lançada junto com a coleção 2011/2012 da marca. Agora só preciso esperar algum tempo até esta loucura virar tendência e linha fixa nas coleções, mais 1 ou 2 anos até chegar as lojas de departamentos e mais alguns até as lojas em tamanhos especiais terem a sua linha de moletom/jeans.

Calculo que em uns 5 ou 7 anos eu tenha a minha calça!!! Paciência é uma virtude!!!