Arquivos do Blog

Não era para ser de GRAÇA???

promo_shell

Ontem li a equação acima pela primeira vez numa faixa em um Posto da Shell, e como tantas outras promoções que vemos por ai acho ela descabida e até mesmo desonesta.

Pagar pelo brinde! Grande sacada do Diretor Financeiro com o apoio do Diretor de Marketing. Só pode ser isso.

E mesmo correndo o risco de ser tachado de velho ouso lembrar que na minha época bastaria abastecer o carro com os tais 25 litros de gasolina para se ter direito ao brinde, sem qualquer ônus a mais, simples assim. E se o tal brinde fosse parte de uma coleção, tanto melhor, a volta ao posto de gasolina estava garantida dali há poucos dias. Afinal quem não gostaria de ter sua coleção completa. É só não complicar que todos querem.

Eu guardava as tampinhas de refrigerante para trocar por copos da Pepsi-Cola (se chamava assim na época) ou por garrafinhas em miniatura da linha Coca-Cola, que se bem me lembro eram trocadas por 2 tampinhas cada garrafinha e 5 ou 6 tampinhas pelo mini-engradado.

promo_shell_c

E falando a verdade, até já paguei por brinde sim. Na primeira edição dos io-ios da Coca-Cola no Brasil (lá nos idos dos anos 80) para se ter os translúcidos (os mais legais) tinha que se dar uma quantia em dinheiro, mas era uma valor quase simbólico. Os outros mais simples, com borda branca, se trocava sem precisar de dinheiro.

promo_shell_b

Mas hoje as empresas esquecem a razão final do brinde que é ampliar a sensação de vantagem na compra de determinado produto. Mas como ter esta sensação sendo racional? É só fazer a conta: são 4 carros na coleção, ou seja 4x R$ 14,90 = R$ 59,60,  mais o custo do combustível em si (100 litros x R$ 2,78/litro em média = R$ 278,00) chegando ao valor de R$ 378,60.

Não tem como. Na ponta do lápis não há como achar que se sai ganhando pagando por um brinde.

E quem trabalha em algum ramo de comunicação ou de marketing sabe que o valor unitário do brinde se dilui na proporção da quantidade produzida. Assim R$ 14,90 por um Batmóvel beira o ridículo. A Shell deve ter pago algo em torno de R$ 2,00 ou R$ 4,00 cada. E olha que tô chutando alto. O resto é lucro.

Mas no frigir dos ovos só existem empresas que fazem estas promoções porque existem consumidores que se sujeitam a pagar, seja pela vã ilusão de exclusividade do brinde ou até mesmo algo tipo insanidade temporária. Vai saber!

A  prática de se cobrar um determinado valor em dinheiro pelo brinde não é nova e veio pra ficar. Muitas vezes elas existem apenas para dar significado ao lado mais promocional de um projeto de marketing. Só continuo achando que promoções assim são apenas mais uma forma imoral da empresa lucrar em cima do consumidor sem ele ter um benefício na mesma proporção em troca.

Quase!!!

Há um tempão atrás recebi no Facebook uma atualização no mural. Era uma promoção das pastilhas Hall’s. Entrei e fui ver os prêmios: um chamado Kit Cool com alguns aparelhos, R$ 50.000,00 em barras de ouro e um Maverick 1975 customizado… pe-pe-perái!!!

Um Maverick!!! E customizado!!!

Não sou de entrar nestes concursos pela internet… mas p$%$@… era um Maverick!!! E customizado!!! Meu carro dos sonhos desde sempre.

De cara achei muito legal este prêmio específico, pois ao invés da saída padrão de dar um carrão importado levaram a cara “vintage” da promoção para o prêmio. Reviveram um ícone para os apaixonados por “muscle-cars”.

Preenchi a ficha, fiz os tais passos… curti isso… curti aquilo e pronto. Nem me importei com os outros prêmios, se era para ganhar eu queria aquele carro. E seja o que Deus quiser. E esperei.

Dias antes do encerramento da promoção postaram fotos do meu desejo de consumo e estava tudo que eu gosto lá… acabamento externo fosco a lá “Need for Speed” (eu tiraria as letras nas portas), painel com instrumentos originais, pneus com pintura em branco da marca e o motor… e bom… é, o motor – e lá vem minha opinião pessoal – o motor, bem… como dizer??? Na verdade para quem curte mesmo o Maverick só estava metade do motor lá: um modelo 4 cilindros.
Cadê os outro 4, cadê aquele motorzão 302 canadense em “V”, cadê a barra de reforço que impede o V8 de literalmente “esbeiçar” a dianteira do Maveco??? Ao invés disso tudo, tinha sim era muito espaço sobrando no “cofre” com aquele motorzinho bem no meio, e uma frase logo me veio na cabeça:
“- Eles estavam indo tão bem!!!”

Não teve como não ficar com um sentimento de “quase lá”. Aquela sensação que você tem quando vê como o resultado seria completo se botassem algo como 1% a mais de esforço na história toda e não atalhassem pela via fácil.

Para a multidão do Facebook a idéia do prêmio continua maravilhosa. Mas p%$@#… estão revivendo um carro que é o sonho de muita gente, um carro que foi símbolo de status, objeto de desejo, e sim beberrão e obsoleto mas também raro e cobiçado. Só acho que deveriam ter tratado a idéia inicial com mais carinho e ter trazido este carro a vida em sua melhor forma.

Ah se o Chip Foose estivesse no meio disso!!!!